Reflexão: E a Vida…

“As páginas do livro da vida podem ser escritas, coloridas, rasgadas, amassadas, picotadas… A escolha do que fazer, do como fazer, e porque fazer e se fazer, pertencem a cada um.” – Dragon 🐉

A vida é uma dádiva de alegria, que devemos receber com entusiasmo e auto-realização.

A vida está na expressão do eu interior. Sem a expressão de nossa essência, do que realmente somos, com medo do olhar que nos circunda, receando os tropeços, nos tornamos uma sombra em meio a floresta escura da noite, sem alegria, e vivendo uma vida vazia, sem intensidade.

A vida é um grande livro que deve ser escrito com as tintas da sinceridade, da lealdade, do amor, da harmonia, da gratidão e do prazer, ainda que sabedores da imperfeição que nos acomete em diversos momentos, provocando decepções, mágoas e rancores. Precisamos assumir nossa responsabilidade perante a vida e as pessoas. Assumir que somos, em nossa essência, imperfeitos é assumir a possibilidade de tropeçarmos, embolando os passos durante a caminhada. O tropeço, o embolar dos passos é a lição do momento. Assim, a vida nos convida ao entendimento, ao aprendizado e, consequentemente, ao encontro de nossa essência, estimulando-nos à conquista de novos níveis de paz e felicidade.

A vida, como vento, segue uma estrada própria e cabe a nós descobrirmos como caminhar – sem tortura, cansaço, e desperdício de vida – em uma direção que favoreça o suave esvoaçar dos cabelos, dando a verdadeira sensação de florescer, reflorestar, de certeza e continuidade… Há caminhos que nos são impostos pelo vento e, na nossa maleabilidade, conseguimos nos adaptar e continuar na estrada. Mas naquilo que só cabe a nós, é de nossa vontade virar a cabeça mudar a direção e nos guiar rumo ao que desejamos. No fim, a vida pode ser suave na conjunção do esvoaçar gostoso do vento e a deliciosa sensação de ter liberdade para escolher, basta que saibamos enxergar como promover essa dança, essa suave dança, que envolve a nossa existência e nossos desejos.

A vida é um poema de beleza infinita, cujos versos são constituídos de propostas de luz, escritas na partitura da Natureza, que lhe exalta a presença em toda parte. Em consequência, a oportunidade de vivermos intensamente, plenamente constitui uma sinfonia a parte de encantamento e conquistas, mediante cuja aprendizagem vamos nos aperfeiçoando e alcançamos os paramos da realidade. Para se viver intensamente é preciso ser o mais fundo de si. Viver o mais intimo de si é estar pleno, intenso e inteiro. É se colocar em cada gesto, em cada expressão ou anseio. Se existe um compromisso ao qual nós devemos nos entregar de corpo e alma este é o compromisso de sermos o que somos.

A alegria, pois, de viver, deve ser parte ativa da busca de nossa essência, de quem somos. Um fruir de toda magia existente no painel Universal, retirando as maravilhosas concessões de completude que pairam ao alcance de todo aquele que deseja elevar-se, livre de tormentos e de amarras com o passado.

A vida é uma floresta infinita, e invariavelmente, ao desbrava-la, nos apresentamos tristes, ansiosos, violentos, com medo, assinalados pelas imperfeições morais e traumas que carregamos das atitudes e ações transatas, dos compromissos mal vivenciados, das realizações desastrosas, transferindo de um para outro momento a oportunidade de alcançarmos a clareira iluminada pela paz, alegria e amor. Para tanto bastaria optarmos, nas soluções das dificuldades e desavenças, pelo caminho de “dentro para fora”, a contributo de esforço bem direcionado. Em todo lugar há sol, vida e harmonia convidando à paz e à participação em um desbravar com passos equilibrados na floresta da felicidade.

Cabe a nós escolhermos se queremos viver sendo o protagonista da nossa vida ou observá-la como um espectador. A primeira opção vai nos aproximar do amor, da vida, a segunda do papel de vítimas. Depende de nós. Todas e cada uma das nossas decisões deixam marcas que vão construindo o caminho. Não é possível viver o detalhe da vida e seus momentos rasamente, se é para ser, tem que ser na profundidade do próprio sentimento e da presença que cultiva e aduba a vida.



Cláudio Cordeiro🐉

Reflexão: Navegando pela vida 

  “Ser Espiritual, o homem é um incessante despertar.” – Joanna de Ângelis

O Amor é o poder criador mais vigoroso de que se tem notícia no mundo. Seu vigor é responsável pelas obras grandiosas da humanidade.

Na raiz das realizações dignificadoras, ele se encontra presente, delineando os projetos e impulsionando os idealistas à sua execução.

Alenta o indivíduo, impulsionando-o para o progresso e faz-se refúgio para a vitória sobre as dificuldades

No amadurecimento psicológico do ser, eis o amor direcionando todos os ideais e sustentando, em todos os embates aquele que lhe permite desabrochar, qual lótus esplendente sobre as águas turvas e paradas do charco no qual pousa o triunfo…


É preciso adaptarmos nosso pensamento a um ensinamento simples da vida: tudo que chega é bom, tudo que parte também. 

É o rio da vida… navegue-o da forma como ele se apresentar, sem apego ou resistência.

As dificuldades, as provas, os momentos de dores e sofrimentos são despertadores da vida, têm a missão de nos acordar. Se assim não fosse permaneceríamos seduzidos com os encantos do mundo material, esquecidos do que realmente viemos fazer neste planeta – transformá-lo – ao transformar a nós mesmos.

O Universo nos possibilitou estar aqui para coisas mais importantes que apenas passear pelo devaneio do prazer, trilhar no delírio do sucesso, caminhar nas ilusões do poder, percorrer a estrada infinita do engano, ir e vir no universo soberbo de nossos desejos, ou seja, apenas passar pela vida.

Estamos aqui para realizar “sonhos”, construir “pontes”, transformar “mundos”, compartilhar “possibilidades”, idealizar “conquistas”, inspirar “transformações”, amar “vidas”, … Enfim, num aparente paradoxo que faz muito sentido, como diria meu amigo “Mouses”, estamos aqui para ser finos, leves e explodirmos de amor à vida.

Toda inércia é um desrespeito a si mesmo, é preciso estar em movimento. Mova-se! Realize! Construa! Transforme! Compartilhe! Idealize! Inspire! Ame e ame infinitamente. Há um mundo (meu mundo, seu mundo, nosso mundo) a ser transformado, nosso papel é contribuir para deixá-lo melhor do que encontramos. Recursos! Estão todos dentro de nós. Ninguém “oferta” o que não tem! Ninguém “caminha” sozinho! Todos colhemos… conforme “as escolhas” que plantamos no canteiro da vida. É preciso acreditar e se esforçar para cumprir a missão que nos foi confiada pelo Universo.

Embora as correntezas percorridas sejam diferentes, todos nós estamos navegando em direção ao mesmo porto, um porto seguro.

E cada barco tem como norte (bussola) as conquistas, as derrotas, os aprendizados, os erros, os acertos, as imperfeiçoes, as virtudes, …

E cada barco tem como tripulação os sentimentos de alegria e tristeza, paz e inquietude, harmonia e desarmonia, felicidade e infelicidade, amor e indiferença, …

E assim, percebemos que, na verdade, ninguém atrapalha a navegação de ninguém, podem até estreitar o rio ou fazer crescer a resistência da correnteza, mas não podem quebrar a embarcação. Isso só acontece quando permitimos, pois “Somos o capitão da embarcação e sempre caberá a nós conduzi-la…”

No final todos estão apenas tentando chegar ao porto, ancorar seu barco – melhorar (novas conquistas morais e espirituais) a tripulação – e continuar navegando em busca de si mesmo.

Quando saímos de onde estamos, e navegamos até o outro e pareamos os barcos, e utilizamos as cordas do respeito, da confiança, da lealdade, da integridade para amarrá-los na liberdade de navegarem juntos o rio da vida, o fantástico, o maravilhoso, a grande mágica da vida se realiza em nosso íntimo:

A compreensão expande a mente que sintoniza com o coração, o pesado se torna leve, a gratidão se curva perante o outro, a gentileza envolve e conduz as palavras, a generosidade se aconchega no coração harmonizando-o com a mente. E nesse instante descobrimos na profundidade de um olhar, no encanto de um sorriso, na essência de uma alma o grande propósito da existência – a prática sublime e incondicional do AMOR que transforma e liberta. E nesse momento entendemos que somos barcos (energia) em movimento, a harmonia perfeita do universo, embora tudo seja uma ilusão – nos diz a Física Quântica – estamos interligados – 🐉 + 🔥 = ☯ – por fios invisíveis (traçados pela caneta universal do amor) que diminui distâncias (aproximando as almas) conectando-as no universo mágico da vida em movimento.

Assim:

Compreendemos que nossos sentimentos, pensamentos, sejam eles quais forem, estarão sempre influenciando, contaminando – positivamente ou negativamente – alguém em algum lugar dessa escola chamada Terra.


Cláudio Cordeiro 🐉

Venha! Navegue na maturidade das atitudes no rio chamado vida.