Momento: Somos um Só!

“Houve uma época não muito distante em que eu não tinha certeza se voltaria para casa de novo. Observava a imensidão da noite, no infinito universo, pela janela dos sonhos. Mas aqui estou. Sempre pareceu o caminho mais óbvio. Nada é fácil. Devo dizer isso como um suspiro. Em algum lugar, a eras e eras daqui: Duas trilhas em um bosque divergiam, e eu…. Eu peguei a menos óbvia. E isso fez toda a diferença. ” – Dragon

“O Dragão representa “o espírito do caminho” que traz a mudança eterna. Assim como a Fênix, na verdade, que renasce eternamente de suas cinzas. Quando retratada com o dragão como um símbolo do imperador, a Fênix se torna inteiramente feminina como a Imperatriz e, juntos, eles representam os dois aspectos do poder imperial. O aspecto feminino (huang), denota beleza, delicadeza de sentimentos e paz. Ele também é um símbolo nupcial significando “comunhão inseparáveis.” Isso não é só para o casal, mas para o yin-yang que completa interdependência mútua no universo em termos de dualidade”.


Água e Fogo! Lua e Sol! Passado e presente! Mulher e homem… sobre e sob a vida. Um não existe sem o outro e precisamos nos lembrar disso. Precisamos saber o que já é nosso. Precisamos saber quem somos. É o que nos conecta… quando nos lembrarmos um do outro, nos reencontraremos. E assim, voltaremos ao início, em um lugar atemporal. Onde nós estávamos destinados a nos amar, a nos apaixonar no infinito esplendor das estrelas solitárias.

“A pequena cidade adentrava a noite ao som de inúmeras conversas e incontáveis encontros e desencontros… Dragon, sentindo a inquietude do momento, permanecia a observar cada movimento ao seu redor. Repentinamente, virando levemente seu corpo, e no tempo de um sorriso, olha na vasta imensidão, as estrelas solitárias, no universo de uma pequena praça, e senti o perfume vibrante de um olhar radiante cruzar seu destino… Phoenix! Novamente a Phoenix!”

Em toda possibilidade de cada momento, sempre estaremos juntos. O tempo é o infinito do momento. Uma única gota d’água retém o pulso do passado, um único momento retém o pulso de todos os tempos. O agora. O passado e o futuro. Quando entendermos o momento, entenderemos todo o tempo. O tempo e a jornada.

Tudo que se transforma por dentro pode ser visto por fora no florescer em perfume extasiante, em beleza estonteante, em sabor doce e suave, em luz a clarear o caminho na noite escura da ilusão. Não nos esqueçamos de que a vida é o maior presente que já ganhamos. Ela tem infinitas incógnitas. Só tem uma coisa que nós podemos fazer a respeito. Nos rendermos. Sim, nós precisamos nos render.

Nós precisamos nos render. Dragon precisa se render! Phoenix precisa se render! Se render a vida e nós precisamos viver. Viver a vida, e sermos surpreendidos, no universo de uma pequena praça, sentindo o perfume vibrante de um olhar radiante cruzando nosso destino em uma “conexão harmoniosa e gratificante” de felicidade e paz.

As pessoas se conectam através do amor ou do medo. Nós, optamos por nos conectarmos através do amor, não do medo. O medo aportou, e assombra as nossas mentes, na estrada dos passos descompassados pela via láctea dos desejos e sentimentos. Na insegurança de momentos desesperançosos, distante dos sonhos, das crenças e valores morais que norteiam nossas almas, sem acreditar na compreensão mágica do amor, conduzidos por ilusões do prazer, omissões desnecessárias contidas em verdades visíveis, o medo fez morada com seus infindáveis fantasmas, na escuridão da floresta que adentramos. Faz-se mister o reencontro na conectividade do amor infinito. Nos conectarmos através do amor, pelo amor e assim permitir o Universo nos guiar pelos caminhos do encontro e reencontro de nós mesmo.

O universo vai abrir os braços e nos guiará no trajeto do reencontro pela compaixão e perdão. Não apenas na alegria, felicidade ou prazer. Também na escuridão, tristeza e perigo. Não fujamos. Não tenhamos medo. Rir e chorar fazem bem. Aproveitemos a oportunidade do aprendizado. É a única maneira de compreendermos a plenitude de cada momento. E só então poderemos viver uma vida plena.

Viver a vida em plenitude! O que estamos vivendo tem uma resposta profunda dentro de nosso ser, e se nos afastássemos por um momento de todas os interesses, apegos, desejos associados com o mundo externo, perceberíamos que há respostas sutis, sussurradas em nossos ouvidos internos, carregadas por nossos canais intuitivos e expressadas no mais silencioso momento de nossa alma, pela janela do olhar. Para isso é preciso entrar dentro de si, sentir o perfeito equilíbrio, e perceber… o universo infinito na natureza sem fronteiras de nosso mundo interior. Sempre em constante movimento. Vai aquém das palavras. É um mundo de visões. Sentimentos. É imaginação. A correnteza interior não pode ser posta dentro de caixas porque para de fluir.

O tempo caminha por labirintos no espaço da verdade, transformando, descortinando o véu da luz e da escuridão que existe em nós. O tempo invariavelmente transborda, em algum momento, nossos valores e crenças, possibilitando enxergarmos quem realmente somos. Então! Não precisamos ser, momentaneamente, outra pessoa. Apenas precisamos ter a coragem de descobrir, a audácia de enfrentar e a integridade de sermos quem somos. Assim, estaremos abrindo as asas para a vida plena. Quando fazemos isso, nossa alma aparece refletida, ainda que ofuscada pela nevoa das imperfeições, límpida e transparente no universo de conexões integras e harmoniosas.

Observar de dentro para fora…. Ouvir a voz da alma… Vislumbrar além da fronteira egoica de nossos desejos… e ter um forte compasso interior. Enxergar o interior… saber quem somos… conhecer-nos inteiramente. Conhecer-nos profundamente, na intensidade suficiente de nos colocarmos na situação do outro, e assim, conseguirmos tirar o melhor de nós. É assim que nos tornamos um, conosco, com o outro e com o mundo. Com o Universo e todo o resto.

Simples assim… Somos um… Somos um só!

Contanto é fundamental não parar de perguntar. Nunca se cansar de fazer essa pergunta pelo resto da vida.

Quem sou eu? Quem é você?


Cláudio Cordeiro 🐉

Artigo: Amor Próprio – Deixar Ir

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir e chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir” – Cora Coralina

FB_IMG_1460156196787[1]

Não esqueça que ter amor próprio envolve ir embora

“As coisas não mudam, se nós não mudamos.” – Henry David Thoreau

Em alguns momentos nos esforçamos para permanecer, ainda que isso não seja o melhor a fazer. Há ocasiões em que ficar é ir longe demais. Por isso dizemos que fechar algumas portas é necessário quando se tem amor próprio. Ir embora de alguns lugares é cuidar de si. Afastar-se de algumas pessoas também é se proteger.

Não são frases feitas, mas sim a realidade que em algum momento da vida todo mundo vai enfrentar, e algumas vezes a realidade pode ser bastante dolorosa. Assim, ir embora e fechar as portas de nossa vida a alguém que não nos acrescenta nada de bom é positivo e saudável para nós. Com amor próprio conseguimos ver isso.

E um dia, sem que você esperasse, me fui. Sem despedida, sem aviso prévio. Porque às vezes ficar é ir longe demais. – A luz de Candela


Ir embora e encerrar círculos viciosos

Diz-se que temos que evitar cair em três acidentes geométricos: círculos viciosos, triângulos amorosos e mentes quadradas. Esta máxima pode ser muito útil na hora de cuidar da nossa saúde emocional.

Quando decidimos caminhar, pode ser que tenhamos que ir contra nossos desejos. Daríamos qualquer coisa para ter motivos para manter as portas abertas mas, algumas vezes, não há outro remédio que não seja colocar um ponto final onde até então vínhamos deixando apenas vírgulas.

A questão é frear uma dor que pode ser evitada. Falamos de um relacionamento amoroso, de uma amizade ou de qualquer outro tipo de relação. Às vezes é preciso colocar fim na desilusão e no desencanto porque não há mais o que fazer.

Como em outras ocasiões, faremos uso aqui de um texto magnífico; e nesse caso é uma passagem de um romance do escritor Paulo Coelho que nos ajuda a valorizar a importância de ter amor próprio, saber encerrar etapas e deixar ir.

Sempre é preciso saber quando uma etapa de nossa vida acabou. Se insiste em permanecer nela mais tempo do que é necessário, perde a alegria e o sentido de todo o resto. Temos sempre que fechar círculos, ou fechar portas, ou terminar capítulos, como quiser chamar.

O importante é pode fechá-los, e deixar ir momentos da vida que acabam nos prendendo.

Não podemos estar no presente ansiando pelo passado. Nem mesmo nos perguntando o porquê. O que aconteceu já aconteceu e devemos deixar ir, devemos nos desprender. Não podemos ser crianças eternas, nem adolescentes tardios, nem empregados de empresas inexistentes, nem ter vínculos com quem não quer estar vinculado a nós.

Tudo passa e temos que deixar ir!


Mudar de pele, dizer adeus com a mão no peito

De tempos em tempos as serpentes mudam de pele. Para desfazer-se da pele velha, uma serpente escolhe transitar por duas pedras tão próximas que apertem seu corpo, raspando e ajudando a eliminar essa capa que já não quer mais. Mesmo sendo natural, essa transição não é agradável, e de fato provoca até dor, mas essa ação ajuda a cobra a se desprender do que já está desgastado, dando lugar ao novo.

Podemos extrapolar isso para a realidade em que nos encontramos quando chega a hora de dizer adeus. Esse processo final supõe um novo começo e, ainda que nos dê muita angústia, nos oferece um espaço para renascer.

Essa tomada de consciência e esse passo nos ajuda a crescer e amadurecer, a conhecer mais sobre como construir relações saudáveis e significativas com as pessoas e com nosso círculo social. É inevitável o sofrimento quando chega a hora de fechar algumas portas, mas fazer isso é sinônimo de ter amor próprio.

Ao fim, é uma questão de visualizar nossa vida de maneira diferente, de sermos valentes e de mudar o que conhecemos. Porque no final o que conta é só isso, saber crescer, nos permitir um pouco de instabilidade e nos adequar às necessidades que surgem.

Uma vez que tenha feito isso, não pense mais no que foi perdido, e sim em tudo que pode ganhar.

Por: Raquel Brito via http://amenteemaravilhosa.com.br/


Cláudio Cordeiro 🐉

E você está pronto para encerrar seus círculos viciosos e construir relacionamentos saudáveis?

Momento: Corpo e Alma

“Explicar o que sentimos por uma pessoa especial e por quem nos apaixonamos sob os termos estritos da química do amor é subtrair a magia do assunto. ” – Albert Einstein

Phoenix!

Eu me perco na picante sensualidade de seu corpo,

E me encontro na doce suavidade de sua alma.


Indescritível! Exuberante!
A Sensação que desperta em meu corpo, minha alma

Ao despir seu corpo suavemente
Amando-o intensamente.

Ao sensualmente cativar sua alma
Contemplando-a inteiramente.


Me encanta! Me seduz!
O exato momento 
Que nossos pensamentos se tornam um.

No proceder irreverente do seu corpo
Que fica a me provocar
Solicitando carícias e afagos.

No olhar despretensioso de sua alma
Que permanece a me convidar
Desejosa de carinho e amor.

Phoenix!

Eu me perco nas tortuosas e prazerosas curvas de seu corpo,

E me encontro na saborosa ingenuidade de sua alma.


Indescritível! Exuberante!
A Sensação que desperta em meu corpo, minha alma

Ao tatear seu corpo delicadamente,
Com beijos e suspiros
Enlaçando seus lábios
Em minha Alma

Ao navegar sua alma calmamente,
Com olhares e sorrisos
Conduzindo seus desejos
Em meu corpo.


Me encanta! Me seduz!
O exato momento 
Que nossos corpos se tornam um

No balanço frenético e 
Descompassado do seu corpo
Conduzindo meu corpo
Ao mar do prazer

No perfume intenso e 
Sedutor de sua alma
Encaminhando minha alma 
Ao jardim do coração.

Onde a sensação de prazer e amor se acumpliciam


Eu me perco…

Eu me encontro…

No encantador reencontro de nossos corpos,

No inebriante reencontro de nossas almas,

Na liberdade de amar de corpo e alma – a Phoenix.


Cláudio Cordeiro 🐉

E Você já se Encontrou na Liberdade de Amar de Corpo e Alma.