Diálogos: Saber e Acreditar

“A vida é um poema de beleza infinita, página de gratidão, cujos versos sensuais são constituídos de propostas de luz na imensidão da noite, escrito de forma intensa na partitura da natureza.”

Dragon

Dragon caminha na finitude dos próprios pensamentos, num diálogo interno, sobre as questões da vida e sua repentina mania de proporcionar momentos inquietantes em surpresas fascinantes.

“ A vida, em certos momentos, invariavelmente nos convida a descrença no “Ser Humano”, a desconfiar na existência do amor, a acreditar na solidão como estrada segura. E, no momento que mais acreditei estar caminhando nesse deserto sombrio, de descrença e desconfiança, eis que surge, em passos lentos, em caminho paralelo, a adorável Phoenix. Nos conhecíamos, entretanto, não percebíamos a existência um do outro, e mesmo assim, na celeridade do cruzar de nossos olhos, minha alma foi invadida pela faísca inquietante do desejo. Sentia um queimar interno, embaralhando os pensamentos. Não compreendia a dualidade da sensação sentida, pois naquele instante não existia aspiração, nem intenção e, ainda assim, uma sensação de inquietude na alma me invadia.

Sentia ter encontrado. Sabia que não estava procurando. Não entendia essa dualidade! Apenas sentia, sabia. Não acreditava que o Universo, em momento tão singular de inquietude intima e descrença, fosse capaz de proporcionar, tão fascinante surpresa.

E no lapso de um momento de lucidez, o óbvio vem à tona, e percebo que em meio aos encontros e desencontros das emoções, sentimentos, pessoas existem, que “chegam”, outras “passam”, de alguma forma por nossa vida e jamais são esquecidas. Mas, apenas uma permanece guardada na mais gostosa e suave lembrança, ou na mais bela e doce ferida através dos laços invisíveis do amor sem fim. “

Phoenix, sentindo os pensamentos de Dragon, envia-lhe uma mensagem, iniciando breve diálogo.

— Se lembra da nossa conversa sobre a diferença entre “saber” e “acreditar”?

— Achei interessante esta da Clarice…

“ Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender… Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo. ”

Clarice Lispector

— É mais sobre “entender”, mas interessante também.

Dragon:

— Muito interessante… Depois da nossa conversa, uma das coisas em que acredito é: não preciso ter medo. Não preciso entender a dualidade do sentimento. Preciso apenas acreditar na possibilidade e recebê-lo com a alma livre de crenças sufocantes. O que realmente importa é o que sinto, sei e acredito. Entender…

— O que verdadeiramente importa! É viver a vida em sua plenitude… acreditando nas surpresas fascinantes da vida.

Phoenix:

— É bem assim… Aprendemos sempre uns com os outros, sempre!

— Quando o estudante está pronto, o mestre aparece!

— Somos todos mestres e estudantes eternos.

Dragon:

— É bem assim… Já estou voando!

Phoenix:

— 😊

— ❤️❤️❤️

Dragon:

— Beijo. Saudade de seu cheiro, seu calor.

Phoenix:

— 🔥🔥🔥🤗😊


No inesperado de um encontro quero acreditar…

Acreditar!!! Que serás raiar de brisa leve.
Acreditar!!! Que serás inteira na metade de um todo.
Acreditar!!! Que serás o esplendor de um olhar ardente.
Acreditar!!! Que serás a canção mais bela a ser deliciada.
Acreditar!!! Que serás a companhia perfeita na noite escura.
Acreditar!!! Que serás a conversa que acalma a alma.
Acreditar!!! Que serás o encanto da noite pelo brilho do sorriso apaixonante.

Acreditar que serei, intenso e inteiro, para em seus olhos – exuberantes – enxergar, quem desejo encontrar e amar. 🐉💙🔥


Cláudio Cordeiro 🐉