Reflexão: A Força do Silêncio

“Pense em alguém poderoso… Pense nos Lobos…

Os lobos não gritam. Eles têm uma aura de força e poder. Observam em silêncio.
Somente os poderosos, sejam lobos, homens ou mulheres, respondem a um ataque com o silêncio.
Além disso, quem evita dizer tudo o que tem vontade, raramente se arrepende por magoar alguém com palavras ásperas e impensadas.
Exatamente por isso, o primeiro e mais óbvio sinal de poder sobre si mesmo é o silêncio em momentos críticos.
Se você está em silêncio, olhando para o problema, mostra que está pensando, sem tempo para debates fúteis.
Se for uma discussão que já deixou o terreno da razão, quem silencia e continua a trabalhar mostra que já venceu, mesmo quando o outro lado insiste em gritar a sua derrota.

Respire… olhe… sorria… silencie… Siga seu caminho.

Lembre-se de que há momentos de falar e há momentos de silenciar.
Escolha qual desses momentos é o correto, mesmo que tenha que se esforçar para isso.
Por alguma razão, provavelmente cultural, somos treinados para a (falsa) ideia de que somos obrigados a reagir a todos os ataques.

Não é verdade.

Você reage somente ao que quer reagir.
Verbalizar é uma escolha, não uma exigência, por mais que assim o pareça.

Você pode escolher o silêncio…” – Aldo Novak (com adaptações)


No relacionamento,

Quando as nuvens da desconfiança aportarem… respire no silêncio de um olhar;
No momento que os trovões das discussões assustarem… olhe no silêncio de um sorriso;
E se os raios da mentira, da calúnia, da desconfiança atingirem… sorria no silêncio de uma atitude;
E se a tempestade desabar… utilize a mais poderosa resposta para o momento: O SILÊNCIO.

E quando a tempestade passar… aproveite o despontar do sol para ter uma conversa edificante e esclarecedora… fundamentada na verdade, no respeito, na responsabilidade emocional e impreterivelmente regada com o silêncio da compreensão no entendimento sem julgamentos. Apenas siga!


Cláudio Cordeiro 🐉

E você como vai agir durante a tempestade?

Reflexão: Escolha Amar

Dragon caminhava pelo universo dos pensamentos, após assistir a uma peça teatral, e dialogava consigo mesmo sobre a oportunidade que os momentos nos ensejam a amar.

A peça de teatro intitulada "Raisin in the sun", de Lorraine Hansberry, traz um trecho realmente admirável, que convida o público a refletir sobre os valores que guardam suas almas.

Na peça, uma família afro-americana recebe uma grande quantia em dinheiro proveniente do seguro de vida do pai.

A mãe vê no dinheiro a oportunidade de abandonar a vida difícil que vivia no Harlem, e mudar-se para uma casa no campo, onde a qualidade de vida seria muito mais satisfatória.

A filha, uma moça muito inteligente, vê no dinheiro a sua maior oportunidade. Poderia estudar medicina e realizar assim seu sonho.

O filho mais velho, contudo, tem outros planos na aplicação do dinheiro. Ele apresenta um argumento difícil de ser ignorado. Ele propõe que o dinheiro seja utilizado para a dar início a um negócio em conjunto com um amigo.

Para convencer a família  ele alega que poderá trabalhar por conta própria e facilitar a vida de todos. Promete que, se puder lançar mão do dinheiro, proporcionará à família todos os confortos que a vida proporciona.

A mãe pensa e mesmo a contragosto resolve ceder aos apelos do filho. Ela entendeu ser uma boa oportunidade para o filho. Ela tem de admitir que as oportunidades nunca foram tão boas para ele, e que ele merece essa oportunidade que a vida está lhe oferecendo.

No entanto o tal “amigo” foge da cidade com o dinheiro. Desolado, o filho é forçado a voltar para casa e dizer à família que suas esperanças para o futuro lhe foram roubadas e que seus sonhos de uma vida melhor foram desfeitos.

A irmã atira-lhe no rosto toda sorte de insultos. Qualifica-o com as palavras mais grosseiras que se possa imaginar. Seu desprezo em relação ao irmão não tem limites.

Quando ela para um pouco para respirar, a mãe a interrompe e diz: “pensei que tivesse ensinado você a amar.”

A filha então responde: “amar? Não restou nada nele para eu amar.”

E a mãe diz: “sempre sobra alguma coisa para amar. E, se você não aprendeu isso, não aprendeu nada. Você chorou por ele hoje?”

Não estou perguntando se você chorou por causa de si mesma e de nossa família, por termos perdido todo aquele dinheiro. Estou perguntando se chorou por ele: por aquilo que ele sofreu e pelas consequências que terá de enfrentar.

Filha, quando você acha que é tempo de amar alguém com mais intensidade? No momento em que faz coisas boas e facilita a vida de todos?

Bem, então você ainda não aprendeu nada, porque esse não é o verdadeiro momento para amar. Devemos amar quando a pessoa está se sentindo humilhada e não consegue acreditar em si mesma, porque o mundo a castigou demais.

Se julgar alguém, faça-o da forma certa, filha, da forma certa. Tenha a certeza de que você levou em conta os revezes que ele sofreu antes de chegar ao ponto em que está agora. È preciso calçar a sandália alheia… e sentir sua textura.

Essa é a graça misericordiosa! É o amor ofertado quando não se fez nada para merecê-lo. É o perdão concedido quando não se tem forças para pedi-lo ou não se fez nada para conquista-lo. É a dádiva que flui como as águas refrescantes de um riacho para extinguir as labaredas que queimam na alma.

O amor que o pai nos oferece é muito mais abundante e generoso. A misericórdia de Deus é muito mais grandiosa e sábia.

Baseado no capítulo “Sempre resta alguma coisa para amar”, da obra “Histórias para o coração” – organizado por Alice Gray


O amor julga, promove desunião, agride, revida…? Não. O amor verdadeiro perdoa, acolhe, transforma.

Analise… analisar é uma postura que reflete maturidade. E quando usamos do discernimento na análise estamos sendo maduros emocionalmente.

Alie o discernimento (razão) ao sentimento (coração) e reflita na condição que está impondo ao outro. Sinta suas atitudes, perceba a dureza de suas palavras. Pergunte a si mesmo se gostaria de estar calçando esta sandália.

Por mais que as pessoas, na própria imaturidade, arraigadas as imperfeições – egoísmo, orgulho, vaidade, inveja… – tragam-nos mágoa, dor, sofrimento, desapontamento ou desilusão, lembremos de que sempre resta alguma coisa para amar.

Então! Seja quem perdoa, acolhe e transforma.


Cláudio Cordeiro 🐉

Reflita! Lembre-se! “Sempre Sobra Alguma Coisa Para Amar”

Reflexão: Companheiros do Amor

“O comportamento é um espelho onde cada um mostra a sua imagem” – Goethe

def2c99d5f3838bc3d823acea9152ad3[1]

Dragon refletia sobre as nuances do relacionamento…

O amor verdadeiro, quando invade os corações enamorados não o faz sozinho e não cresce desacompanhado. Ele traz consigo alguns companheiros que o auxiliam a solidificar as bases de um relacionamento maduro e gratificante, baseado no diálogo, no respeito as diferenças, na disciplina das atitudes afetivas.

Quem são esses singelos companheiros?


A confiança - aconselha e permite ao amor conviver em paz e harmonia, construindo um relacionamento baseado na certeza de que as atitudes e palavras são verdadeiras;
O respeito - aconselha e permite ao amor viver em liberdade sempre fiel ao relacionamento;
A admiração - aconselha e permite ao amor tornar o casal cúmplice no crescimento, rompendo todas as fronteiras - você é ele e ele é você;
A compreensão - aconselha e permite ao amor entender os momentos de estupidez causados pela ignorância do preconceito, do orgulho e da pretensão;
A renúncia - aconselha e permite ao amor ser menos egoísta, ajustando os interesses pessoais às necessidades do casal;
A bondade - aconselha e permite ao amor ser generoso em sua grandeza de perdoar e seguir na construção da felicidade;
A alegria - aconselha e permite ao amor transformar o mau humor em sorrisos que iluminam e perfumam o relacionamento;
A gentileza - aconselha e permite ao amor observar sem julgamento ou critica as palavras e atitudes do companheiro(a);
A simplicidade - aconselha e permite ao amor colher no jardim do coração palavras singelas de incentivo;
A delicadeza - aconselha e permite que o amor toque com suavidade o corpo para sentir a maciez da alma;
A humildade - aconselha e permite ao amor não ter sempre razão e almejar ser feliz;
A gratidão - aconselha e permite ao amor reconhecer a importância de estar vivenciando a oportunidade de amar intensamente e sem limites;
O desejo - aconselha e permite o amor desejar intensamente o encontro dos corpos saboreando o prazer.

Esses companheiros aconselham e permitem ao amor ser sempre mais amor, ampliando a capacidade de amar e ser feliz no relacionamento.

Experimente! E você terá a oportunidade de vivenciar momentos de extrema leveza e suavidade no seu relacionamento.


Cláudio Cordeiro 🐉

 E no seu Relacionamento… os companheiros singelos do Amor estão presentes?

Reflexão: Combustível do Relacionamento

“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”

Fernando Pessoa


Amanhece. A doce Phoenix perpassa o ambiente e o perfume do amor exala de seu olhar apaixonado. Dragon, olhando por cima dos ombros, visualiza seu delicioso sorriso. Envolvendo-a em seu abraço, um beijo suave em seus lábios recebe, deseja-lhe bom dia.

Observando-a em sua singela preguiça matinal, inicia um diálogo.

— O amor é o grande agente transformador da vida. Tão necessário à alma e aos relacionamentos quanto o corpo necessita do oxigênio. Tesouro imperecível que quanto mais dividimos mais multiplicamos as possibilidades de alegria e felicidade.

Fale mais Dragon, exclama a Phoenix….

— Muitos relacionamentos por surgirem fundamentados em uma relação de troca, de possessividade, de comércio pernicioso, seja pela questão financeira, pelas questões familiares ou por questões emocionais, já nascem fadados ao fracasso. Esses relacionamentos estão sempre gerando a exigência da retribuição promovendo ansiedade e angustia. Nesse contexto o amor deixa de ser espontâneo e passa a ser ocasional, interesseiro, gerador de culpa, dor e dependência.

— Esses dependentes em sua maioria são pessoas ansiosas, irrealizadas, vazias e atormentadas por paixões desenfreadas que se apegam a um amor doentio, transferindo para outrem, todos os seus conflitos na busca de uma segurança que não encontraram. Essa relação fica então no “fio da navalha”, nesse jogo de interesse onde os casais supõem que se amam, mas na realidade estão apenas se protegendo da solidão, acomodados na dependência emocional que criaram, esperando apenas o tempo… da ilusão ser desfeita.

— O amor liberta, rompe os laços das ilusões e das emoções, promove o bem-estar e não gera dependência.

— O amor é a base de sustentação e o principal ingrediente na construção de um relacionamento sólido e duradouro.

— Assim devemos gerar o hábito de amar sem negociar, sem desejo de troca, sem transferência de conflitos ou cobranças e principalmente sem interesses que não seja os de construir e crescer.

— Nenhum relacionamento sobrevive sem este combustível.

Phoenix estende um olhar carinhoso ao Dragon e o surpreende com uma pergunta:

— Quanto desse combustível você tem colocado em nosso relacionamento?

Dragon após um breve silêncio, conclui:

— O amor é espontâneo e pode ser percebido, sentido, no aroma de um sorriso ao amanhecer.

— Amar por amar. Essa conduta nos permite conhecer e compreender o companheiro e transformar a convivência num farol que ilumina a estrada do relacionamento.

— Quanto a sua pergunta… A estrada do relacionamento permanece iluminada quando o farol é abastecido ora por um, ora por outro. É preciso existir sintonia, harmonia e equilíbrio no uso deste combustível. Relacionamento se faz na reciprocidade do intangível combustível chamado amor.

Sorrindo Phoenix convida Dragon a tomar o café da manhã… 🐉💙🔥


Phoenix! Como não amar? 

Se em cada nascer do sol
Sinto o prazer no sorriso
Se em cada esconder da lua
Sinto o desejo no beijo
Se em cada momento
Sinto o encanto na presença
Se em cada café da manhã
Sinto o deleite no sabor
Se em cada respirar
Sinto o aroma do amor
Se em cada conversa
Sinto a leveza da voz

Phoenix! Como não te amar? 

A cada amanhecer
A cada anoitecer 
A cada momento
A cada café da manhã
A cada respirar
A cada conversa
Se permanece estonteante
No silêncio ausente de meus pensamentos.

Como não amar a Phoenix? Impossível!



Cláudio Cordeiro

Reflexão: Instante Mágico

“O amor é o espaço e o tempo medidos pelo coração.”

Marcel Proust

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande. As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar, nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam, não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você.

Mário Quintana


Ao degustar as saborosas palavras do incomparável “Mário Quintana”, Dragon esparramou-se pelo chão, fitando o céu em seu infinito azul e se deliciando com os pensamentos direcionados a adorável Phoenix… tão distante –no tempo e no espaço – mas enraizada em seu coração. Suas divagações encamparam o amor e como esperamos ansiosamente ser invadido pela mágica inebriante chamada amar. 

Interessante é que nem sempre o amor chega no momento que queremos ou desejamos. E ficamos a questionar o Universo quando vamos encontrar o grande amor, aquele alguém que chega e intensifica a nossa vida.

O amor é simplesmente a simplicidade de um momento audacioso, sofisticado e encantador. O amor chega a ser engraçado, hilário. Ele se aproxima sem pedir licença, acelera o pulsar do coração e faz tremer os pensamentos. Ficamos sem ação, porque somos surpreendidos por sua mágica nos momentos mais inesperados de forma audaz nos envolvendo nas circunstâncias mais incomuns.

Surpreendente e muitas vezes inoportuno (chega sem aviso prévio). Bom ou ruim? Sem julgamentos! O que sei é que a maioria das pessoas não consegue perceber, sentir o impacto, desse momento tão sublime e significativo. O amor é tão surpreendente que se apodera de nossa vida, transformando toda a nossa existência.

Dizem que o melhor lugar para se estar é dentro de um abraço e é bem assim que o amor chega, jogando os braços sobre nós e vai nos envolvendo dentro de um imenso e gostoso abraço. Dentro desse abraço nos perdemos e nos achamos na mais deslumbrante sinfonia de sublimes vibrações.

Dragon adormece… e voa nas assas do sublime sonho de encontrar a Phoenix…  O amor é simples assim! Sempre fazendo as flores florescerem no jardim encantado do coração e “quem vai dizer as borboletas”… não pouse, não faça ninho?

 Composição: Fábio Caetano / Marcelo Barbosa Barreti / Nil Bernardes.

O amor é  bem assim! Sempre fazendo o extraordinário acontecer “Quando a gente ama”. 🐉💙🔥


Cláudio Cordeiro  

Reflexão: O Sorriso

“Toda mulher leva um sorriso no rosto e mil segredos no coração.”

Clarice Lispector

Phoenix! Seu Sorriso, meu encanto.

no instante de um momento captado, por entre a multidão de pessoas, a Phoenix irradia aquele sorriso imenso de alegria e intenso de felicidade…

O sorriso… este esticar dos lábios, exibindo majestosamente os dentes, alterando complemente a expressão facial, é um fator preponderante da alegria e fundamental na arte de ser feliz. A felicidade, normalmente, no dia a dia, vem expressa no mais belo sorriso.

Phoenix! Seus olhares são mágicos e repletos de sorrisos estonteantes, mas seu coração transborda mil segredos.

Sorria, sorria e sorria…  adorável Phoenix!

Porque o sorriso… é interpretado como um estado de alegria, contagiando a todos;

Porque o sorriso… provoca otimismo, positivismo em seu entorno, promovendo um ambiente alegre e confiante;

Porque o sorriso… gera um relaxamento das tensões e harmoniza o ser, dando a sensação de paz, que transborda contagiando o ambiente, as pessoas;

Porque o sorriso… motiva a confiança, pois normalmente enxergamos por trás de um sorriso a amizade florescer;

Porque o sorriso… permite aos olhos enxergar a leveza da alma.

Porque o sorriso… aquiesce viver melhor, mais alegre e feliz.

Porque o sorriso amplia o mundo diante do olhar, tornando tudo mais alegre, colorido e agradável.

Sorria, sorria e sorria…   encantadora Phoenix!

Porque o sorriso… Ah! seu sorriso encantou meu olhar, iluminando minha alma na solidão de uma noite, em meio a tanto burburinho.

Simples assim!!! 🐉💙🔥

No primeiro olhar
Deu pra imaginar
Vai acontecer
Tentei evitar
Mas ao desviar
Vi um céu de estrelas
E ao sorrir, que luz
Seu riso tem uma luz
Que ninguém mais traduz
Só o luar
Chegou pra ficar, pra iluminar
E me enlouquecer

Ao se aproximar
Não deu pra negar
Não pude esconder
Li no seu olhar
Estava escrito lá
Até nas estrelas
E ao sorrir, que luz
Que brilho ela possui
Meu Deus, ela seduz
Com seu olhar
Veio pra ficar
Pra me encantar
E me envolver

Loucos pra sonhar
Foram se entregar
Sem ninguém saber
Risos pelo ar
Livres para amar
Sede de viver
Não sei como foi
Mas se a vida pôs
Tudo entre nós dois
Então vai ser
E esse amor em nós
Vai sorrir após
Cada amanhecer

(Composição: Gilson Peranzzetta / Nelson Wellington)


Cláudio Cordeiro 🐉

Reflexão: Espelho da Alma

Costumam dizer por aí, que os olhos são os espelhos da nossa alma.

Existem infinitos modelos de olhos e intensidades de olhares. No caso das pessoas românticas, acontece uma certa alteração da coloração dos olhos, definidos dependendo de cada situação que elas estejam vivenciando no momento. Os olhos azuis, são comparados com o oceano e com o colorido do céu.  Os olhos verdes, podem ser comparados com as florestas e com o verde das montanhas. Os olhos castanhos, podemos comparar com um pôr do sol, em uma tarde inesquecível. Já os olhos pretos, são definidos, como uma linda pérola negra e às vezes, com o brilho de uma estrela. Através do olhar, podemos perceber o que a pessoa sente, o que ela quer nos dizer e o que ela está pensando.

O olhar pode dizer muita coisa, até mesmo revelar um segredo.

O olhar pode ser triste, melancólico e até sem brilho. Às vezes, pode expressar um sofrimento, uma dor e até mesmo um cansaço rotineiro. O olhar também pode expressar felicidade, ansiedade, medo ou uma simples curiosidade. O brilho nos olhos é contagiante, quando compartilhado espontaneamente com outra pessoa. Não posso deixar de citar, o olhar de ódio e rancor, que não leva a lugar algum. Muito menos o olho gordo ou da inveja. O olhar de desejo e sedução, possuem uma característica única. Uma vez que você cruze seu olhar com ele, você simplesmente está em presa, como se fosse uma armadilha sem fuga. Existem diferentes e infinitos tipos de olhares, o mais importante, na minha opinião, é o olhar com amor. O olhar que transmite ternura, carinho e paixão. Para as pessoas apaixonadas, os olhos se tornam a janela da esperança. Eles conseguem ver uma imensidão de perspectivas, onde ninguém mais consegue enxergar. Através de um olhar doce, um coração consegue se expressar sobre qualquer tipo de amor.

Podemos, então, comparar o brilho dos olhos com o brilho das estrelas, é como um privilégio que todos nós temos, de estampar um sorriso, com a maneira que olhamos para o lado. A magia de um olhar, pode nos fazer perceber, quase que no mesmo instante, que estamos presos em uma cilada, sem chance de escaparmos. É como se o mundo inteiro fosse preto e branco, e com um piscar de olhos, se tornasse alegremente colorido. Não precisamos nos importar em definir o nosso tipo de olhar, ou saber qual o olhar que nos atrai. Mais importante do que isso, é sabermos quem é a pessoa responsável pelo olhar, pois, atrás de qualquer olhar, existirá sempre um turbilhão de sensações e sentimentos. Quando duas rotas diferentes cruzam inesperadamente um olhar, nasce imediatamente um desejo mútuo. Isso pode ser considerado, o começo de uma grande paixão. Quando sentir essa inexplicável atração, não pense duas vezes, e se deixe levar por esse olhar. Vá até onde ele quiser te carregar, e vai sem medo.

Deixe esse olhar te ganhar, deixe esse olhar te seduzir, não tenha receios, muito menos, coloque empecilhos.

E o amor, é exatamente isso…

Você olhar nos olhos de alguém, e encontrar o caminho do prazer e do desejo de amar.

Por isso, não se esqueça nunca: quando alguém sorrir para você com os olhos, se encante intensamente. 🐉💙🔥


Cláudio Cordeiro 🐉