Momento: Ausência Assimilada

“Inutilmente a tua imagem chega ao meu encontro

E não me entra onde estou que somente a mostro

Tu, se te virasses para mim só poderia encontrar

No muro de meu olhar a tua sombra sonhada

Sou aquele infeliz comparável aos espelhos

Que podem refletir mas não podem ver

Como eles meu olho é vazio e como eles habitado

Pela ausência de ti que faz sua cegueira” – Lacan

É na ausência que refletimos na importância e valor do tempo sem presença,

É na ausência que percebemos a necessidade da ausente presença por vezes,

É na ausência que aprendemos a respeitar o tempo sem presença,

É na ausência que revivemos a maravilhosa arte do reencontro,

É na ausência que compreendemos o momento da indiferença,

É na ausência que sentimos a força imensurável do amor verdadeiro,

 É na ausência que nos fazemos ainda mais intensos em nossa simples expressividade,

É no amar incondicional que compreendemos a necessidade, que se fez maior que o próprio momento, de vivenciar o agora, no assimilar da ausência necessária.


Ausência

“Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, que rio e danço e invento exclamações alegres, porque a ausência, essa ausência assimilada, ninguém a rouba mais de mim.”

Carlos Drummond de Andrade


 


Cláudio Cordeiro – Dragon 🐉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s