Sensual: Amanhecer de Domingo

Maravilhosa, Phoenix! Desejoso, Dragon!

Uma varanda
Um café da manhã
Um desejo
Um ensejo.

Calor! Fim de Verão
A varanda iluminada
Palco de intensa paixão
Realização de todo prazer
.

Balanço na varanda
Poesia do desejo
Poema da fantasia
Sensualidade do amor.

Na intimidade do ninho, Dragon e Phoenix, aproveitam a noite silenciosa de sábado com uma cerveja gelada desfrutando o gostoso filme. A noite se esvai pela madrugada e Dragon adormece na simplicidade de sua caverna…

O cantar dos pássaros anuncia o amanhecer de domingo. O sol inicia seu despontar no horizonte iluminando, com seus primeiros raios, a singela e refrescante varanda. Varanda de sonhos e encantos, rodeada por árvores frondosas, habitadas por bagunceiros esquilos. Pequena no tamanho, imensa nas possibilidades. De tábua corrida amarronzada com pequenas frestas, permite o frescor do vento correr sem obstáculo. Protegida por pequena grade de ferro com detalhes em arco, acolhe em seu recanto, com generosidade, a singeleza da mesa de vime com suas cadeiras acopladas e a simplicidade do balanço. Pequeno bonsai da árvore da prosperidade embelezam ainda mais o ambiente banhado diariamente pelo calor do sol e refrescado ao anoitecer pela claridade do luar.

Dragon em sua ousadia, silenciosamente alcança a cozinha, espaçosa na simplicidade, para preparar o suculento e mágico café da manhã.

Phoenix em sua delicadeza, esparramada no ninho de amor, entre o acordar e o dormir, sonha num sono sereno, para despertar com fantasia, alegria e sabor.

A cafeteira apita anunciando em vapor perfumado o sabor do café. Os Croa sonhos estão no forno e começam a crescer anunciando em explosão deliciosa o encanto ao amanhecer. O suco de goiaba na jarra banha inúmeras pedras de gelo, derretendo-as com seu calor. Fatias de pão saltam, amarronzados, para fora da torradeira impregnando o ambiente com o aroma seco de seu sabor. Acompanhando as maravilhosas torradas surgem cremoso o creme de avelã e a suculenta geleia de pêssego. O mamão picado, e disposto no formato de um coração envolve dois lindos morangos com avidez e gentileza.

A varanda é cuidadosamente preparada. A singela mesa, agora coberta por toalha fina, estampa com flores e folhas coloridas se estende até o chão, lembrando a primavera no outono que se apresenta. O rustico balanço recebe pequena almofada em seu colo. A varanda em sua majestosa singularidade acolhe os primeiros raios de sol, iluminando e aquecendo o espaço, enquanto Dragon distribui com carinho os ingredientes do café, que será invadido por uma deliciosa sensação de prazer ao amanhecer.

Dragon após um refrescante banho matinal desfila pelo ninho reconfortante em sua cueca branca justa e definidora de seu desejo. Gotículas de água morna deslizam de seu cabelo por seu corpo, dando uma sensação de frescor. A fragrância exala, sensualidade com intensidade, perfumando o ambiente.

Dragon avança em direção ao quarto, onde a Phoenix, dorme envolta em seus sonhos. Chegando na porta seu olhar, de desejo e sedução, adentra todo espaço fixando na maravilhosa companheira que permanece adormecida em seu encanto de menina, mulher. Serenamente caminha até a cama dobrando-se de joelhos, deixando-se admirar infinita beleza esparramada sob o lençol a cobrir apenas suas pernas. Pequena calcinha que mais parece um shortinho, rosa claro, com desenhos pretos e detalhes verdes, revelam as sensuais curvas esparramada, desnuda no doce ninho de amor. A suavidade de sua pele, clara como o luar, repleta de pequeninas e incontáveis pintas, que lembram as estrelas a embelezarem ainda mais a admirável noite enluarada.

Encantado! Com um olhar fixo e ansioso, Dragon, sussurra extasiado: Uau! Que delícia de mulher… e carinhosamente toca sua pele macia, e com suavidade cheira seu pescoço e suspira com leveza, balbuciando em seu ouvido:

Bom dia! Desperta Phoenix, flor matinal a iluminar meu jardim de esperança e clarear meu dia em prazer. Acorda minha amada, vamos saborear um delicioso café matinal no desabrochar do domingo. Vem! Vem! Em meus braços e permaneça no meu coração

Suas palavras causam arrepios e suspiros intensos de intenções, inteiros de desejo na Phoenix, que com delicadeza remexe de um lado para o outro. Abre seus olhos vagarosamente e olha Dragon com olhar de saudade, carinho e paixão. Abre um lindo sorriso iluminando o encontro ao amanhecer. Num átimo de pensamento Phoenix puxa Dragon pelo pescoço e lhe beija com sofreguidão. Um beijo delicioso e de tirar o folego.  E pergunta: Onde está o café. Quero café na cama meu Dragon. “Estou tão preguiçosa…”.

Dragon retira o lençol desnudando por completo seu corpo. Num movimento majestoso a pega em seus braços.  Seus rostos se encontram, a Phoenix lança seus braços em torno de seu pescoço e mais uma vez o olhar se cruza em sintonia para um longo e delicioso beijo enquanto Dragon caminha em direção a varanda carregando em seus braços a sua amada.

Chegando na varanda Dragon delicadamente a coloca no pequeno balanço. Ela se acomoda e fica olhando para seu amor esperando o próximo passo. Dragon se vira e pega em cima da mesa uma rosa “laranja” colhida no jardim dos sonhos e perfumada com o amor da realidade. Dragon se põe a fitar sua amada e roubando as palavras de William Shakespeare declama:

A longa distância apenas serve para unir o nosso amor.
A saudade serve para me dar
a absoluta certeza de que ficaremos para sempre unidos...

E nesse momento de saudade,
quando penso em você... eis que surge tua doce presença,
com o esplendor de um anjo;
e me envolvendo como uma suave brisa aconchegante...

Tudo isso acontece porque amo e penso em você...

E beijando a rosa, entrega para Phoenix, que a cheirando profundamente deixa escapar o belo sorriso que se confunde com os raios do sol a iluminar ainda mais a manhã de domingo.

O momento se faz inebriante e repleto de amor. A Phoenix curva seu corpo até a mesa e retira mansamente um morango. Seus lábios o envolve deliciosamente. Sua boca o envolve com tanta sensualidade ao mordê-lo deixando escorrer pelo canto um pouco do seu caldo avermelhado produzindo uma sensação extremamente gostosa em todo o corpo do Dragon. Olhando novamente nos olhos do Dragon convida-o a participar do café estendendo a mão e puxando-o pelos braços até que esteja sentado ao seu lado saboreando um pedaço do morango ofertado pelos calientes lábios. Envolvido pelo desejo, Dragon aproveita para novamente se enroscar na sensualidade de sua boca, tragando-lhe o ar, sorvendo o sabor de sua língua e saboreando o gosto de mordiscar seus lábios.

O olhar intenso da Phoenix é de excitação. Dragon a deseja inteiramente nesse momento. Sua capacidade de raciocinar se esvai quando a sua mão toca com suavidade sua perna e em movimentos delicados vai subindo por sua coxa fazendo-o suspirar profundamente. Sua mão percorre todo os espaços possíveis, do majestoso e inquieto desejo, até que seus dedos encontram a volumosa ânsia dragoniana, fazendo seu corpo inteiro estremecer de paixão. Mais um beijo e a maciez de sua mão o faz delirar sob os raios do sol.

Na volúpia do desejo e desconsiderando a paisagem, Dragon e Phoenix, inteiramente desvelados são invadidos pelo inebriante frescor e revigorante perfume da brisa matinal, encobertos pelos raios solares, aquecendo a insensatez do café matutino, num insensato momento de amar…

Acariciando com intensidade o corpo da Phoenix, esculpido pelo criativo erotismo da natureza, sua mão inquieta, desliza suavemente pela planície lisa da natureza exuberante, caminhando entre montanhas majestosas, planaltos inebriantes e mares de ondas sufocantes, Dragon, admira cada detalhe, com cupidez no olhar. Num movimento de voracidade, Dragon levanta-se ficando diante da magistral Phoenix que institivamente pega o creme de avelã saboreando o doce sabor do chocolate, dando “aquela olhadinha para cima”, estampando no olhar toda excitação do momento. Ah que delícia…

A Phoenix usa e abusa da imaginação… sua língua é feroz e sensível, suas palavras estimuladoras, envolventes, enlouquecendo o já louco de prazer Dragon, que dobra seu majestoso corpo, em direção à nascente, permitindo a Phoenix percorrer toda intimidade disponível, em um caminhar rítmico na estrada do amar, criando sensações de prazer indescritível. A cada passo, gemidos e sussurros são lançados ao vento ecoando rumo ao nascer do sol.

As palavras permanecem no pensamento porque o desejo as sufocam. Repentinamente, Dragon rompe o caminhar prazeroso da Phoenix, que mesmo supressa, obedece silenciosamente, seguindo por novas trilhas. Segurando com firmeza sua mão e num movimento repentino, coloca-a a seu lado para vislumbrar o encanto do céu azul ao roçarem seus corpos na leveza da varanda. Seus dedos adentram o lindo cabelo cacheado e os seus lábios se encontram num beijo insano e louco tanto quanto eles. Fazendo-a segurar firme, no beiral da varanda, Dragon invade o limite do ilimitado prazer de adentrar as fantasias mais secretas da sua desejosa presença em movimentos silenciosos a demarcarem o seu entrar… e o seu sair…

No brilho aquecido do sol, Dragon se espalha pelo balanço a admirar a sinuosidade mágica, redonda e avassaladora do café matinal… virando o olhar sedenta por uma fruta, a Phoenix afasta-se do beiral aproximando vagarosamente. Seus joelhos alcançam as almofadas do balanço fazendo seu lindo corpo deslizar sobre o tórax largo e avantajado. No átimo de um olhar que encontra o beijo, a energia se faz perfeita e Dragon desliza seus lábios, frenéticos de volúpia, mordiscando a fruta deliciosa que segura ora fortemente, ora suavemente em suas mãos. No mordiscar dos lábios, a faminta Phoenix, avança possibilitando o navegar pela sinuosidade do rio divinamente esculpido entre planaltos perfeitos. Os olhares, toques, gestos, pensamentos, desejos interagem freneticamente, e a cadência do balanço, no navegar de sua intimidade, proporciona em Dragon a doce ilusão de permanecer inteiramente preso na liberdade de seu interior, no singelo e intenso momento de perfeita melodia. A sensação gestada na sintonia harmoniosa do êxtase, é indescritível e fantástica, fazendo escapar, pelo pensamento, sorrisos, repletos de prazer.

Enlouquecidos na avidez, extasiados pela cupidez do instante, Dragon pulsa ardentemente, Phoenix crava as unhas em seu ombro, na liberdade de alcançarem o clímax se entregando a leveza e sutileza de movimentos cada vez mais fortes, rápidos, profundos, conduzindo-os pelos caminhos inconfessáveis do saboroso orgasmo no café da manhã dominical, escrito com a tinta invisível do amor na página magistral da varanda.

Sentado...

No balanço da varanda,
Na varanda do amor,
Anseio pela lucidez,
Lucidez de um momento...
Escapou, pela porta do coração,
Não me deixando razão.

Para ser diferente sem ser indiferente.

Na sacada da varanda,
Na varanda do amar,
Refleti... 
Na tentativa de unir
Sonhos e esperança,
E seguir o caminho,
Pois longa é a estrada...


Cláudio Cordeiro 🐉

Um comentário em “Sensual: Amanhecer de Domingo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s