Diálogo: Almas Gêmeas

“Eu reconheci você instantaneamente. Todas as nossas vidas passaram pela minha mente em uma fração de segundo.

Eu senti uma atração tão forte por você que quase não consegui parar. – J. Sterling, In Dreams

Amanhece… o som da noite, em seu sonho, ainda suspira mansamente. O frescor da manhã chega vagarosamente com a brisa úmida a invadir toda a caverna do Dragon. A varanda recebe em seu frescor a doce presença da Phoenix. Esparramada na espreguiçadeira, vislumbra a singular presença da manhã, imersa em pensamentos, reflexiva, estampando um sorriso vivido num olhar translúcido.

Refletia e seus sentimentos transbordavam ao pensar no Dragon. Seus pensamentos esparramados pela brisa invadem o ambiente… como a Phoenix e o Dragon se conheceram. Por mais que tudo indicasse as coincidências, sentia que havia algo mais, afinal, ela sentia que o conhecia desde antes… Seriamos almas gêmeas?

Lentamente, como se estivesse a ler os seus pensamentos, Dragon, se aproxima e a surpreende com um delicioso beijo em seus lábios. Senta ao seu lado e rapidamente o diálogo, o amor se fazem presentes.


O que pensa esta mente em chamas, a observar tão maravilhoso amanhecer? – Perguntou Dragon.

– Dragon, estava me lembrando do dia em que nos reencontramos. E poderia descrever com uma citação do J. Sterling – “Eu reconheci você instantaneamente. Todas as nossas vidas passaram pela minha mente em uma fração de segundo. Eu senti uma atração tão forte por você que quase não consegui parar. ” Não acha estranho que já nos conhecíamos desde antes de nos conhecermos? Devo estar ficando maluca.

Minha adorável Maluca! Não acho estranho. – Carinhosamente respondeu Dragon e concluiu.

– Quando duas Almas afins estão na estrada da vida o Universo se encarrega de aproximá-las.

– As almas afins se olham e enxergam o amor na alma. Porque o amor é mágico e só percebemos isso quando sentimos o olhar, é fotografia com olhos sonhadores, é esperança na incerteza do momento, é fio sútil que permite o encontro no reencontro de almas, é perceber que já nos conhecíamos desde antes de nos conhecermos.

– No momento de nosso reencontro, imediatamente nossos olhos sonharam, sentimos pulsar o amor em nossas almas, percebendo a indescritível sensação de amar.

– Então! Percebemos que encontramos o amor de nossas vidas, a alma gêmea separada, e sabemos que nem mesmo a distância fora capaz de escondê-la de nossos olhos.

Ah, não sei. Acredito ser algo mais do que apenas “Almas afins”… Esta sincronia de pensamentos, amalgama de sentimentos, e similaridades de gostos e maneiras de sermos, o nosso fogo conjunto, e o fato de ambos possuirmos asas e sermos livres… Talvez sejamos um caso de almas gêmeas! – Enfatizou Phoenix

Almas gêmeas? – Dragon ficou a pensar.

Sabe meu querido Dragon, refletindo sobre as almas gêmeas, tenho minhas crenças… Pelo que entendo, é algo como “a outra metade” que completa a inteireza, a combinação perfeita de dois opostos, tipo uma alquimia na química dos elementos, com hemisférios positivos e negativos, em uma totalidade única… Talvez por isto os encontros sejam tão raros… E baseada nisto, posso prever por que as almas gêmeas não ficam juntas com frequência, e mesmo quando elas têm a chance de se reconectar, elas na maioria das vezes ainda se separam.

Por que pensa que isso acontece, se tudo o que buscamos é encontrar nossa almas gêmea? – Pergunta Dragon

Dragon, nós somos seres impulsionados pelo crescimento e pelo desenvolvimento, e por isso acabamos nos conectando com nossas combinações imperfeitas para nos ajudar a expandir, a crescer a nossa espécie e, consequentemente, nos desenvolver como um todo. O desequilíbrio das conexões que não são almas gêmeas acaba criando uma unidade de almas gêmeas mais equilibradas e em constante evolução que, dentro de sua própria grandeza, é perfeita, contendo o que é no interior, e sendo exatamente como deve ser. E do jeito que é, é absolutamente perfeito dentro da totalidade da alma gêmea em que todos estamos juntos. Nós somos um!

Dragon na profundidade de um olhar diz: Alma Gêmea ou não… Nós somos um! Aqui. Agora. Sempre. Sorri. Se aproxima, enlaça a Phoenix em suas asas e sussurra em seu ouvido o doce poema de Rabindranath Tagor, que guardava em seu coração.


"Amor sem fim

Parece que te amei de inúmeras formas, inúmeras vezes ...
Vida após vida, era após era, para sempre.
Meu coração fascinado fez e refez o colar de canções,
Que você leva como um presente, usa em volta do pescoço em suas muitas formas,
Vida após vida, era após era, para sempre.

Sempre que ouço velhas crônicas de amor, é uma dor milenar,
É uma antiga história de estarmos separados ou juntos.
Enquanto eu olho continuamente para o passado, no final você surge,
Vestido com a luz de uma estrela polar, perfurando a escuridão do tempo.
Você se torna uma imagem do que é lembrado para sempre.

Você e eu flutuamos aqui no riacho que traz da fonte.
No cerne do tempo, amor de um pelo outro.
Jogamos ao lado de milhões de amantes,
Compartilhado na mesma tímida doçura de encontro,
as lágrimas angustiantes de despedida,
Amor antigo, mas em formas que se renovam e se renovam para sempre.

Hoje está amontoado a seus pés, encontrou seu fim em você
O amor de todos os dias do homem, tanto no passado como para sempre:
Alegria universal, tristeza universal, vida universal.
As memórias de todos os amores se fundindo com este nosso amor -
E as canções de cada poeta do passado e para sempre.”


Cláudio Cordeiro 🐉 & Cris Repolês 🔥

E Você já encontrou sua Alma Gêmea?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s